Maduro usa referendo venezuelano sobre região na Guiana como manobra ufanista

  • 01/12/2023
Disputa por Essequibo acirra tensão entre os países e acende o alerta de Brasil e EUA. A disputa por Essequibo, uma área de 159 quilômetros quadrados riquíssima em petróleo, põe Venezuela e Guiana em rota de colisão e acende o alerta doBrasil e dos EUA. De um lado, Nicolás Maduro mergulhou de cabeça numa campanha para turbinar o referendo popular que empreende neste domingo no país, no qual consultará a população sobre as medidas a tomar em defesa da região. De outro, a Guiana aposta na decisão da Corte Internacional de Justiça, que decide sobre o imbróglio entre os dois países. De imediato, a crise fez o Brasil reforçar a sua fronteira norte, e os EUA enviarem funcionários de alto escalão para a Guiana. O ufanismo venezuelano em torno de Essequibo vem sendo alardeado por Maduro e se explica também pela proximidade das eleições presidenciais do próximo ano. Conforme declarou Mariano de Alba, especialista em Direito internacional e Relações Internacionais, ao jornal digital “El Pitazo”, o referendo é um balão de ensaio para lubrificar a máquina eleitoral e dividir a oposição. A consulta proposta por Maduro tem cinco perguntas, que ele defende serem respondidas cinco vezes com o “sim”: rejeitar a fronteira com a Guiana, validar o acordo de Genebra, firmado em 1966, defender por todos os meios a soberania do território, não reconhecer o Tribunal Internacional de Justiça como legítimo para resolver o conflito, e criar um estado na Venezuela chamado Guayaba Esequiba. Opositores do regime e analistas políticos não contestam a soberania venezuelana sobre Essequibo, mas a forma como o conflito vem sendo conduzido pelo regime de Maduro, criticado por usar o tema como manobra para distrair a população. “Votar cinco vezes “sim” no referendo nos levará a um conflito armado”, resume a presidente da ONG Controle Cidadão, Rocío San Miguel. Ela considera sensatas as respostas “sim” para as duas primeiras questões e “não” para as três últimas. “Não participar no referendo é dar poder a Maduro para instrumentalizar qualquer ação interna ou militar. Se nos abstivermos, deixaremos tudo na mão do outro, para que ele possa fazer e desfazer”, constatou San Miguel em suas redes sociais. O analista Luís Vicente León, diretor da Datanálisis, entende que se abster no referendo não é uma solução e repete a fórmula “sim, sim, não, não e não” à consulta popular. “Essequibo é um território venezuelano. Não precisamos de um referendo para ratificá-lo e todos temos de defendê-lo a nível diplomático e político, sem necessidade de questioná-lo”, justifica. Principal concorrente de Maduro nas eleições do próximo ano, embora inabilitada pela Justiça para disputar o pleito, a opositora María Corina Machado rejeita o referendo: “Essequibo é da Venezuela, essa tem sido a posição dos venezuelanos e governantes durante gerações. Seremos levados à Corte Internacional de Justiça por negligência, irresponsabilidade e entreguismo de Chávez e Maduro.” O interesse pela região cresceu após a descoberta e exploração de petróleo na região que equivale a 70% do território da Guiana e tem o inglês como idioma predominante. Ex-colônia britânica, a Guiana defende a fronteira definida em 1899 por um tribunal arbitral. A Venezuela recorre ao acordo assinado em 1966 em Genebra que estabelece as bases para uma solução negociada entre os dois países. Maduro rejeita a interferência do Tribunal Penal Internacional, que analisa o caso a pedido da Guiana e deverá proclamar sua decisão nesta sexta-feira. “Incorporar a região ao território da Venezuela ou conceder cidadania à população são ações que equivaleriam a uma anexação ilegal do território da Guiana, em violação dos princípios mais fundamentais do direito internacional”, proferiu Robert Persaud, secretário das Relações Exteriores da Guiana. O slogan “Essequibo é nosso” reaviva a memória da disputa argentina pelo arquipélago das Malvinas em 1982 no fim do já desgastado regime militar, aflito por desviar a atenção da população para os graves problemas do país. A guerra de 70 dias com o Reino Unido terminou com 900 mortos e como um fracasso retumbante para os argentinos, mas abriu o caminho para redemocratização. O paralelo poderia servir de lição para Maduro.

FONTE: https://g1.globo.com/mundo/blog/sandra-cohen/post/2023/12/01/maduro-usa-referendo-venezuelano-sobre-regiao-na-guiana-como-manobra-ufanista.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Anunciantes